All for Joomla All for Webmasters

InfoAmazonia: porque devemos falar em geojornalismo


Artigo gentilmente escrito por Gustavo Faleiros, mestre em Política Ambiental pela Universidade de Londres e atualmente coordenador de projetos de ((o))eco.

Eu estou sentado no aeroporto de La Guardia, Nova York, e assisto a um dos testes de usuário mais desejáveis ​​que qualquer desenvolvedor de software poderia jamais sonhar. Em um dos docks para iPads fornecidos pela companhia aérea bem na entrada do portão de embarque, um menino chinês, provavelmente em torno de 8 a 10 anos de idade, está estudando cuidadosamente as imagens de satélite de Atlanta, o destino final do vôo o qual ambos estamos esperando para embarcar.

Ele está usando o aplicativo do Google Earth e começa a girar o globo virtual. Ele agora está tentando comparar Atlanta com outra cidade (talvez a sua própria?). Ele chama seu irmão e explica o que está fazendo. Eu não entendo mandarim, mas estou verdadeiramente impressionado com o seu interesse nas imagens. O engenheiro da Google, com certeza, estaria sorrindo satisfeito. Uma ferramenta como o Google Earth, que serve para dar informações relevantes para um jovem ou a um perito foi praticamente a primeira inspiração para criar InfoAmazonia.

InfoAmazonia 01

Em 2008, quando o Holocaust Memorial Museum dos Estados Unidos usou imagens de satélite para mostrar ao mundo o que estava acontecendo em Darfur, fiquei impressionado com o poder de transmitir informações nesse formato : mapas interativos podiam guiá-lo através das histórias de cada aldeia afetada no Sudão. Depois disso, nós, na agência de notícias O Eco (www.oeco.org.br) imediatamente fizemos nossos primeiros testes em reportagens sobre incêndios florestais no Brasil, tentando combinar histórias provenientes de jornalistas com shapefiles das áreas protegidas mais danificadas.

Desde aqueles primeiros experimentos, a cena em torno de projetos de mapeamento digital tem evoluído a um ritmo muito rápido . E a principal novidade, eu diria, foi o surgimento do jornalismo de dados, o que trouxe uma abordagem mais conceitual para o que estávamos realmente tentando dizer com nossas visualizações. Quase ao mesmo tempo, enquanto desenvolvíamos o InfoAmazonia, criamos o termo “geojornalismo”, que pode ser visto como um ramo do jornalismo de dados dedicado ao uso de dados geográficos.

Mas esse não era o único problema que estavámos tentando resolver com este termo. Na verdade, o que InfoAmazonia faz, desde o seu lançamento em junho de 2012 , é fornecer uma plataforma onde você pode tanto encontrar dados físicos (por exemplo, bacias hidrográficas, incêndios florestais ou concessões de mineração) junto a notícias. Na verdade, é muito interessante pensar como um cartógrafo: você pode transmitir informações adicionando camadas.

InfoAmazonia cria visualizações de dados fornecidos por satélites, mas também compilou um grande banco de dados de reportagens provenientes da região ou que estão falando sobre a região. Um relatório sobre o desmatamento no Peru, publicado no Washington Post, por exemplo, é um novo registro em nosso banco de dados. Até o momento, 1025 histórias já foram agregadas em nossa plataforma.

Neste caso, pode-se ver InfoAmazonia como um grande agregador ou um serviço de clipping de notícias. Isso é correto também. Já criamos feeds RSS e em breve esperamos ter uma API para este banco de dados de histórias geo-referenciadas. Mas nós amamos o apelo gráfico dos mapas. Esta combinação de uma camada de histórias e uma camada de dados dá ao usuário um meio para aprofundar as questões. Colocar essas camadas em uma espécie de diálogo nos ajuda a revelar as ameaças que a maior floresta tropical do planeta está enfrentando.

InfoAmazonia 02

Foi exatamente essa capacidade de empilhar grandes quantidades de dados sem perder a coerência visual e interação que nos levou a trabalhar com MapBox. Com sede em Washington DC, a empresa ofereceu como solução para as nossas ideias um belo design, dando destaque a notícias através da criação de uma janela para exibi-lás ao lado de cada mapa. A vantagem de trabalhar com este software de mapeamento é que você pode realmente construir um mapa a partir do zero, o que, como já disse, faz você pensar como um cartógrafo : cada detalhe, desde a camada de base até a quantidade de informação que você está agregando, é essencial.

Contar histórias, juntamente com dados geográficos, uma prática que estamos chamando geojornalismo, transforma mapas em um novo tipo de página em branco para os jornalistas, a qual podem usar para criar notícia. Com base nessa crença, recentemente temos trabalhado em conjunto com desenvolvedores em São Paulo e lançamos um tema WordPress chamado JEO, que permite aos jornalistas mapear suas histórias da mesma forma que fazemos em InfoAmazonia. É muito simples utilizá-lo e queremos ver os jornalistas escolhendo regiões ao redor do mundo que podem ser melhor reportadas com dados e notícias geo-referenciadas. Você pode saber mais sobre o software JEO aqui.

Posts relacionados

Deixe um comentário