All for Joomla All for Webmasters

O jornalismo de dados está mudando o equilíbrio do poder

Os Panama Papers são a maior divulgação não-autorizada na história. Envolvem mais de uma centena de organizações de notícias lideradas pelo Süddeutsche Zeitung em cooperação com o International Consortium of Investigative Journalists – ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos) que analisaram mais de onze milhões de documentos, totalizando 2,6 terabytes de dados, em lançamento coordenado numa escala sem precedentes.


O maior vazamento na história do jornalismo de dados acabou de aparecer ao vivo e é sobre corrupção

Vazamentos dessa significância estão se tornando mais fáceis de acontecer do que nunca, especialmente dentro de organizações complexas como a NSA (o Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos), o Departamento de Estado ou uma firma internacional com muitas fontes potenciais de acesso – contratantes, estagiários ou empregados que se sentem compelidos a soltar informação para o público. Este acontecimento ainda está em seus estágios iniciais, apenas cerca de cento e cinquenta do total de onze milhões de documentos foram lançados, mas o resto está para vir brevemente. As consequências serão provavelmente imensas e provavelmente mais impactantes do que os Wikileaks ou as revelações de Snowden. Num incrível momento logo depois do vazamento, o (agora ex) primeiro ministro da Islândia, quando perguntado sobre sua relação com um holding offshore ligado à evasão fiscal, simplesmente abandonou a entrevista:


A escala geográfica do acontecimento é notável. Aqui está uma breve olhada para colocar as coisas em perspectiva:


Países com funcionários implicados nos Panama Papers se espalham pelo mundo. A escala é bem incrível.

E o tamanho dos dados brutos em si é impressionante. Veja essa comparação com o achado de documentos vazados durante o “Cablegate” do Wikileaks:


Qual é o tamanho do Panama Leaks? 2,6TB

Mas também, 2,6 terabytes não são mais o que costumavam ser – não cabem exatamente num pendrive pequeno, mas um HD externo do tamanho de um queijo quente provavelmente já seria bom o suficiente para o armazenamento, e apenas as políticas de TI mais restritivas poderiam impedi-lo de ser levado para fora do prédio.

Ainda não está claro se a transparência forçada feita possível por meio desses acontecimentos vai de fato desencorajar o uso de empresas de fachada em paraísos fiscais, que por si só são completamente legais. Mas vazamentos como os cabos do Departamento de Estado ou os Panama Papers quase certamente vão continuar numa escala sempre crescente, gostem os líderes mundiais e seus burocratas ou não.

A natureza sem atrito dos dados digitais e sua urgência em serem livres podem ser vistas como um tipo de desinfetante dos piores tipos de sigilos: aqueles que enriquecem regimes autoritários e permitem a corrupção. E até os mais poderosos governos estão quase inteiramente sem poder para detê-los.

O jornalismo de dados, como tem se tornado conhecido, está rapidamente virando o antídoto mais importante para o poder corporativo ilegal ou atividades ilícitas de governos. Além disso, seu poder é sentido mesmo sem as reais revelações acontecendo, porque os dados podem ser tão facilmente copiados, anonimamente compartilhados e distribuídos pelas fronteiras, que até a possibilidade de um vazamento é um impedimento significativo para o comportamento anteriormente encoberto pelo sigilo.

Essa é uma grande jogada para o ICIJ,  que se posicionou como uma alternativa mais jornalística para o Wikileaks, e sem a bagagem da persona descomunal de Julian Assange. Esse acontecimento vem na sequência das revelações anteriores feitas pelo grupo, incluindo os Offshore Leaks, Lux Leaks e Swiss Leaks.

Como nota à parte, e que equivale a uma história em si, quase oito horas depois, CNN, The New York Times, Wall Street Journal, WaPo, CBC, Fox News, entre outros, não fizeram nenhuma menção da divulgação. Quando finalmente lançou uma história, o New York Times se recusou a linkar o ICIJ ou qualquer uma das organizações de notícias envolvidas ou até mesmo os próprios documentos.

A partir da manhã seguinte, menções no site do The New York Times foram essencialmente enterradas. Se essas omissões são um gesto em direção a sua exclusão do grupo é uma incógnita.

Posts relacionados

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.