Escalas lineares ou não lineares? Por que não ambas?

Post de Alberto Cairo publicado no blog The Functional Art. Confira aqui o texto original, em inglês. Tradução de Luís Labres.

A cobertura sobre o coronavírus reacendeu o debate a respeito do entendimento da maioria dos leitores sobre escalas não lineares. No “How Charts Lie”, tenho um exemplo fictício fofo sobre quando esse tipo de escala é necessário: imagine que você tenha quatro gerbilos [NT: roedor similar ao hamster], dois machos e duas fêmeas.

Os quatro gerbilos acasalam e cada casal dá a luz a quatro pequeninos (oito gerbilinhos no total). Agora, seguindo nosso raciocínio, vamos imaginar que os pais morram logo depois do nascimento. Os gerbilos continuam reproduzindo-se nessa taxa constante, de forma que cada geração dobra de quantidade em relação à anterior.

Se você traçar esse crescimento exponencial em uma escala Y aritmética, a linha permanece muito próxima de 0 por cerca de 25 gerações. Portanto, seria impossível estimar a taxa com que você precisaria aumentar a quantidade de comida a ser comprada para suas adoráveis criaturinhas:

 

No entanto, se você usar uma escala não linear, o crescimento exponencial da população de gerbilos fica mais claro. Chegando na 32ª geração, haveria mais gerbilos no seu quintal do que pessoas no mundo:

 

Ao traçar gráficos sobre pandemias, precisamos de escalas não lineares porque o contágio também é não linear: se está infectado, você provavelmente não vai infectar só mais uma pessoa, mas duas, três ou mais a cada n dias. Por isso que estratégias comunitárias de redução como ficar em casa e lavar as mãos são tão importantes.

Mas é verdade que a maioria de nós tem dificuldades para entender escalas não lineares. O que fazer? Bom, podemos explicá-las. Como falei em palestras recentes, o impulso de muitos editores quando acham que os leitores não vão entender uma visualização é de evitar tal visualização. Isso é autodestrutivo e errado. Se você nunca usa um tipo de gráfico ou escala, como seus leitores vão aprender a lê-lo algum dia?

Outra solução é aproveitar a chance de interação. Mostrar dados em uma escala linear também tem seu valor. Ela não só é mais dramática do que uma escala não linear, mas também dá aos leitores uma visão adicional dos dados. Por que não deixar as pessoas alternarem entre uma escala linear e uma não linear? Isso é exatamente o que o “El País” da Espanha fez nessa visualização.

 

Essa página do “Our World in Data” tem um recurso similar, apesar de ser mais difícil ver onde clicar para alternar entre as escalas.

Related Posts

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.