Masterclass de jornalistas do Google News Lab discute o uso de dados na profissão

Realizada pela Embaixada e Consulado dos Estados Unidos, aula com profissionais do Google News Lab apresentou panorama global do jornalismo de dados.

Uma ponte entre um público sedento para compreender melhor a realidade e o universo do conhecimento estatístico e científico, que é muitas vezes de difícil acesso para a maioria das pessoas. Assim, Simon Rogers – editor de dados do Google News Lab – apresentou a função do jornalismo de dados no mundo atual.

Simon Rogers foi um dos participantes da “Masterclass em Jornalismo de Dados”, realizada no dia 30 de março de 2021, pela Embaixada e Consulados dos Estados Unidos, com apoio da Escola de Dados, da Open Knowledge Brasil, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e da Google News Initiative. Ele esteve ao lado do cofundador da Escola de Dados e coordenador do Google News Lab no Brasil, Marco Túlio Pires. A sessão teve a mediação de Fernanda Campagnucci, diretora-executiva da Open Knowledge Brasil. 

Masterclass on-line em Jornalismo de Dados (30/03/2021) – Canal da Embaixada dos EUA no Brasil no YouTube

Ambos jornalistas, os convidados compartilharam experiências pelas quais passaram ao longo de suas carreiras e deram dicas para quem quer começar a trabalhar com dados. Segundo eles, o interesse das redações por profissionais com este conhecimento deve crescer.

Em sua fala, Marco Túlio apresentou um breve histórico do jornalismo de dados. Ele explicou como o método científico das ciências sociais transformou o modo de fazer jornalismo no século XX. Na medida em que foi sendo adotado pelas redações, com o objetivo de diminuir a dúvida e aumentar a confiança sobre os modelos usados para explicar a realidade, este método científico serviu para dar base ao que se conhece como jornalismo de dados ou data-driven journalism (ddj) atualmente.

Marco Túlio lembrou que o uso de dados e do método científico no jornalismo é antigo. Mas hoje os jornalistas dispõem de uma série de ferramentas digitais para apoiar suas apurações e fontes de dados facilmente acessíveis para explorar. Com isso, o trabalho com bases de dados, editores de planilhas, visualização de dados, aprendizagem de máquina (machine learning), matemática, estatística, pensamento computacional e comunicação ganharam mais importância na profissão. Para ajudar a desenvolver estas habilidades, Marco citou a central de treinamentos da Google News Initiative, que oferece trilhas de capacitações.

Mas os jornalistas precisam então aprender a programar? Esta dúvida recorrente em quem está começando no campo também foi discutida. De acordo com Simon Rogers, ainda que a programação seja uma habilidade desejável e facilitadora, a pauta e o problema são o centro do fazer jornalístico. Segundo ele, a falta de domínio sobre as linguagens de programação não impede realizações na área e a união de perfis profissionais com diferentes habilidades pode ser uma solução.

Os dois participantes também destacaram a importância do compartilhamento de informações com a comunidade. De acordo com Simon, a colaboração e práticas de abertura e transparência no jornalismo ajudam a abrir portas para o surgimento de outras notícias com dados. 

Crescimento no mundo e destaque para o Brasil

Simon chamou atenção para a onda global em que vivemos. Desenvolvido pelo Google News Lab, o estudo “Data Journalism in 2017: the current state and challenges facing the field today” traz uma pesquisa com redações internacionais, na qual 60% dos integrantes de redações digitais declararam ter pelo menos um jornalista de dados na equipe. Além deste, o editor também mencionou os números do Sigma Awards, principal competição internacional de jornalismo de dados, que em seu segundo ano recebeu 51% das inscrições vindas de pequenas redações de diversos continentes. Pequenos coletivos, redações e organizações não só usam bastante os dados em seus trabalhos, como o fazem com excelência.

O Brasil foi citado como um dos destaques internacionais. Somos um dos países que adotou o jornalismo de dados mais rapidamente. As discussões do Fórum jornalismodedados.org, mantido pela Escola de Dados em parceria com a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – Abraji, e eventos como Conferência Brasileira de Jornalismo de Dados e Métodos Digitais – Coda.Br, e o Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, que celebram trabalhos de excelência na área, foram exemplos de fortalecimento da comunidade brasileira de Jornalismo de Dados citados por Marco.

Posts relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.